Um menino que me sorriu numa tarde de chuva | 14Jun2009 00:00:00

Publicado por:


Acendi um cigarro, formei uma bola de fumo na primeira baforada que expeli, o menino ofereceu-me um sorriso cariado, perante a façanha propositada para lhe desapertar o laço da língua, ficou assim com o sorriso castanho desenhado, olhitos brilhantes, pele já macerada:

- Queres uma chiclete? ? Perguntei-lhe. Abanou um dos ombros como que passando para mim essa decisão, a de ele querer ou não. Eu decidi que sim, e mandei o Jorge dar-lhe a chiclete.

- Diz obrigado ao senhor ? Ordenou a mãe numa tentativa de demonstrar que lhe ensinava boas maneiras. O menino desenhou de novo o sorriso primeiro para a mãe, depois para mim. A mãe desenhou outro sorriso, este farseiro de dente em falta, numa aparente disponibilidade que recusei com um desviar de olhar, virando-o de novo para o menino que acorria já ao chamamento da mãe. A rua desenhava-se nevoeiro dentro, salpicado pelos aguaceiros, indolentes as imagens desapareciam à medida que caminhavam. Caminham sempre as imagens, vêm não sei de onde mas sempre em rota de fuga no nevoeiro que as adensa. Até ao sorriso do menino? Adivinho-lhe o sumiço.O cigarro esquecido entre os dedos queimou-me as falanges.

- Vens? ? Perguntou-me um amigo que me esperava para almoçar

Partilhar:

Comentários
Não existem comentários

Para poder comentar necessita de iniciar sessào.

Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


Anedotas
Um homem guiava pela estrada quando atropelou o matou um galo. Pessoa
conscienciosa parou na quinta próxima e pensando que o galo pertencia à casa, disse quando o lavrador perguntou o que desejava:
- Creio que matei o seu galo. Como posso substituí-lo?
- Bom... as galinhas andam por aí. Esteja à sua vontade!
Com Poesia

rodinha26

flavio

dianabalis

a-cor-da-poesia

lisura

joaonegreiros
©2017, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional