Não vás para longe | 04Jun2009 00:00:00

Publicado por:


Não te escrevo há tanto tempo
Que me morde de ti a saudade
Colaste-me na doce lembrança
Ferras-me o amargo da contrariedade
De saber que algures te possuo
De sentir que a mim te queres dar
Adivinhar-te em doce espera
Do beijo que em ti vou poisar
Distância efémera, a que nos separa
Afago cálido, eterna esperança
De em cada partida que encetas
Seja o regresso a doce confiança

Partilhar:

Comentários
Não existem comentários

Para poder comentar necessita de iniciar sessào.

Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


Anedotas
No restaurante, o cliente diz ao empregado:
- Esta comida está intragável! Chame-me cá o gerente!
- O gerente também não a consegue comer, cavalheiro.
Com Poesia

rodinha26

flavio

dianabalis

a-cor-da-poesia

lisura

joaonegreiros
©2017, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional