Ser pobre um dia... | 24Mai2009 00:00:00

Publicado por:


O João da Nora trabalha no campo
Rompe a pele em cabo de enxada
Trabalha também na fábrica
Rompe os pulmões até de madrugada

Respira a bosta de boi durante o dia
O amoníaco ácido durante a noite
Que lhe queima os pulmões e o cérebro
A jorna acaba dorida como um açoite

Leva na lancheira o pão e a tristeza
Por todos os poros arrota desgraças
Já não é novo, ele sabe-o e sente-o
Roga ao Senhor, lhe traga novas graças

E não pede muito o João, velho
Embora de idade seja novo
Pede o direito á diferença
Entre os velhos deste povo

Fecha os olhos ajoelhado ao Altar
E pede a graça de ser pobre um dia
Para que assim não o seja todos os dias
Que lhe renove uma vida sem agonia

Partilhar:

Comentários
Não existem comentários

Para poder comentar necessita de iniciar sessào.

Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


Anedotas
P: O que diz um ouriço quando choca com um cacto?
R: És tu mãe?!
Com Poesia

rodinha26

flavio

dianabalis

a-cor-da-poesia

lisura

joaonegreiros
©2017, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional