Poema a um Mulherão | 20Mai2009 00:00:00

Publicado por:


Avó Maria, baixinha e anafada
Carrega o neto pela escada
Com cuidado o mergulha na tina
Para um banho em água temperada

Já adulto e sem tino nem razão
O neto só abana as mãos e a cabeça
Em jeito de agradecimento
Esperando que o passeio aconteça

Já lavado e perfumado
Coloca-o a peso na cadeira
E vai apanhar o catorze
Que pára na pasteleira

Carrega-o no autocarro
Perante o olhar indiferente
Do motorista e do passageiro
Adulto imbecil e velha indigente

Sai a avó Maria do catorze
Apanha o metro para o hospital
Em dia de tratamento físico
Para seu neto doente mental

Abandonado pela mãe
Esquecido pelo pai, seu filho
Que a abandonou também
E a deixou neste andarilho

?Porque não o interna aqui??
Pergunta-lhe o médico no hospital
?E quem me ensinaria a amar??
Pergunta a avó em ar normal

Partilhar:

Comentários
Não existem comentários

Para poder comentar necessita de iniciar sessào.

Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


Anedotas
Um homem é apresentado a um médico numa festa. Começam a conversar. Pergunta o médico:
- Eu já não lhe tirei as amígdalas?
- Não, ainda as tenho.
- E o seu apêndice?
- Também não. Tirei-o há muitos anos, quando era pequeno.
- Você não foi casado com a Sónia Abrantes?
- Fui...
- Eu sabia que já lhe tinha tirado alguma coisa!
Com Poesia

rodinha26

flavio

dianabalis

a-cor-da-poesia

lisura

joaonegreiros
©2017, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional